terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Ela gosta do efeito que causa

Ela é duas mulheres em uma só, dois espíritos, duas essenciais
igualmente livres, mas distintos, um é doce, outro é absinto.
Tolice seria dizer que trata-se de um paradoxo: que mulher não é?
Como ela? Poucas certamente, afinal, trata-se de um mistério:
Fogosa e provocante, mas calma e em paz consigo mesma.
Ela sabe quem é e o que quer, sabe as armas que tem
[e gosta de usá-las].
Paz e tempestade, manhã e madrugada, ela sorri e faz-se um frenesi
há milhares de possibilidades ao gosto dela e é assim:
sem dramas, vestida ou nua, de um jeito ou de outro ela é dona de si
Ah, como ela gosta de usar as armas que tem,
seja o olhar, a leve mordida no lábio inferior, os dedos a brincar
no profundo do decote... apenas alguns dos recursos que usa
e que a fazem vibrar excitada - "que eu fiz?" -
satisfeita consigo e com o efeito que ela causa.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Um grão de areia

Não quero saber de outro meio, caminhos aprazíveis não me interessam
mas a sedução me atormenta, prazeres deliciosas arranham minha pele
palavras doces sussurram no meu ouvidos propostas indecentes,
o sexo intumesce, eu vejo miragens e vacilo à beira do abismo.

Balanço a cabeça inutilmente tentando afastar o canto enfeitiçante
que ignora as barreiras que eu, tolo, achei que estavam lá.
Esfrego os olhos, não é o que está diante de mim que vejo
e uma torrente me arrasta para onde eu sei que não quero ir.

Mas não, não quero ir no caminho que meus pés já sabem de cor.
A eternidade, como um grão de areia no escuro da minh'alma,
faz-me ter sede, fome e saudade daquilo que meus olhos não podem ver.
Então não, não quero ir no caminho que meus pés já sabem de cor.


sábado, 30 de novembro de 2019

Um pouco de mar


Que nessa insana correria que é a vida haja um tempo pra respirar,
uma rede pra se balançar, uma banheira onde se esquecer,
sexo para se perder, um abraço onde se encontrar,
um porto seguro para onde possa fugir
e coisas bobas que te façam rir.


É preciso que haja algo de flor em tudo isso
um "quê" de mistério que alivie os dias cinzas e infindáveis.
Sim, haverá drama, reviravoltas, vilões e mocinhas
e não só o mar de figurantes insonsos, calados, inamáveis.
E haverá um pouco de mar, sim, pelo bem da minh'alma, haverá!

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Ela é um encanto que eu descobri aos poucos


Que ela é um encanto eu descobri aos poucos

como quem desperta para um mundo novo
tão fascinado que pouco crê no que seus olhos veem.

Tão fascinado que lamento os segundos que perdi
e agora me pergunto como torno em beijos meu encanto
e faço do meu fascínio carinhos no seu corpo perfumado
e que ela após mil orgasmos fique a sorri.

Ela é de uma complexidade alucinante
e toda vez que se maquia com seus lábios de batom
e toda vez que sorri divertindo-se como uma menininha
e toda vez que faz hora, rebola, cai de boca na minha...
são milhares as vezes em que ela é mais que minha amante.

É o mais sensual fascínio em forma de mulher
Seus cabelos ao vento espalhando o perfume que atiça
Lúdicos pelos púbicos exalando o cheiro que mostra que ela quer
dedos, boca, nossos corpos num vai-e-vem de faiscar.

Sexo é divinal, amor é animal; mas se o amor gosta de transar?
E quando o amor convida amigas como a safadeza e a lascívia
e todos pegam carona com a ousadia até o sol raiar?

Ela é um encanto que eu descobri aos poucos
como quem desperta para um mundo que é sempre novo.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

O mundo desaba dentro de mim



O mundo desaba dentro de mim com a velocidade de um raio mas também tão previsível como o círculo vicioso cujas ondas impelidas pelos pedaços do meu mundo que cai ainda mais fortemente avançam arruinando-me as encostas e fazendo-me desabar aos poucos enquanto fracassam todos os meus esforços de em algo me agarrar e de mais um fôlego tomar antes que essa trilha sonora docemente fúnebre avance sobre cada recôndito de minh'alma fazendo-me capitular

sem chorar
antes mesmo de plenamente amar

como se às misérias eu devesse me apegar e tão somente delas saciar minha fome que é sempre maior de algo que nem sei o nome que parece de mim se afastar enquanto eu me desfaleço no caminho como se para isso mesmo tivesse sido feito de uma matéria prestes a desandar antes de o céu tocar e a plenitude de tudo o que existe me fosse como um brilho nos olhos e um gosto na boca e um aroma no ar a me guiar como uma bússola à fonte e ao altar onde tudo um dia há de se encontrar.

sexta-feira, 15 de novembro de 2019

A mulher xingada



Os homens são xingados de canalhas, desgraçados, covardes,
Em ofensas que atendam contra seu caráter e hombridade.
Quando os xingamentos fazem alusão à sexualidade
São chamados de filhos-da-puta ou cornos, em agressões
Diretas às esposas ou em impropérios dirigidos às suas mães.


Assim, as mulheres sempre e invariavelmente, quando xingadas,
Nunca são ofendidas em seu caráter, quando agredidas verbalmente
O alvo é sua sexualidade e elas tornam-se putas, vagabundas ou safadas,
Cadelas, biscates ou vadias, ou também desavergonhadas ou mal-amadas,
De toda violência contra a mulher, tal forma de falar é o fruto e a semente.


Há, você protestará! Então haverá forma certa de – uma mulher – xingar?
Faz-se tolo, ou de fato o é, quem julga não perceber a maldade que há
Em desprezar e moralmente ferir apenas para sua frustração recompensar,
Pois desde que Tirésias afirmou diante de Zeus e Hera que o prazer é dela
Exime-se da culpa quem ofende o corpo e os amores dela, esfacela.

sábado, 9 de novembro de 2019

Mate e faça morrer




Você já deveria saber que há uma lei não escrita que diz
que aquilo que te mata, matará, se hoje não morrer
e já que nesse jardim só floresce o que o jardineiro quis
não há a quem culpar, apenas arrancar o mal pela raiz.
Ouviu? A besta fera que tem o seu nome começa despertar
Aconselho-te a fazer já, agora mesmo, sem hesitar:


Estrangule, não permita que respire, mate e faça morrer
seja firme, meta até o cabo a faca e não tire,
há coisas que hoje, hoje mesmo, é preciso fazer.
Não seja frouxo, mesmo que suas mãos tremam
Não se acovarde, mesmo com o suor frio
Não volte trás, ainda que as lágrimas corram como um rio.

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Poemas para ler sem respirar: O amor

Às vezes o amor é tão grande que extravasa do meu peito e invade os pulmões espalhando-se pelas veias tomando conta de mim e de tudo e de toda palavra que minha boca fala ou pensamento em que minha alma vagueia ao caminhar não importa o lugar ou olhar
seja a terra
uma parede
ou o mar
que me faz sentir quase fisicamente esse amor a tudo abraçar embora noutras vezes ele se pareça com um minúsculo grão de areia num dos cantos de uma mal iluminada e gigantesca sala cujo vazio a tudo permeia.

terça-feira, 5 de novembro de 2019

Dói



há problemas que deviam ser chamados por'outro nome
problemas são coisas como falta de dinheiro, unha encravada
ter um chefe estúpido, políticos meramente performáticos,
mas há problemas que pertencem a uma outra classe
que causam dores de outra estirpe, esmagam o coração.


O choro de um filho que arde em febre e te olha suplicante
o padecer de uma mãe, a saudade de quem não voltará
a angústia de sentir empedrar no peito o amor mais puro
exemplo de coisas que fazem acordar um universo inteiro
que se esconde dentro da gente, no lugar mais escuro.

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

As vezes sinto-me perdido

As vezes sinto-me perdido
queria que fosse simples saber o que fazer,
que não fosse um drama decidir que direção seguir,
a que lembranças me apegar e quais sonhos descartar.

É forçoso confessar que invejo a segurança daqueles
que não titubeiam ante mil dilemas
e parecem providos de uma evidente clareza
que dissipa todas as nuvens da dúvida e das incertezas
que, de tão presentes em minha vida, tornaram-se íntimas
companheiras inseparáveis nos dias meus.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Cativo



Sabes o porquê de o sol banhar de um amarelo avermelhado incandescente o céu no fim da tarde?
Ou a razão dos infinitos círculos que se formam ao redor do ponto em que caiu uma pedra n’água?
Ou o motivo do Joe correr para você lhe estendendo a pata como se a cumprimentasse?
Ou o porquê da rosa sempre desabrochar durante a noite?

Acredita quando lhe digo que a lua brilha no céu pra te agradar?
Podes imaginar a razão que tenho para lhe dizer que me aqueço à luz dos teus olhos?
Vê! Meu coração estremeceu quando ouvi de ti: “eu te amo”. Sabes o quanto?
Percebeste a maestria com que teu olhar arrebatou-me o coração?

Tão singular como tais mistérios é o teu riso que se finda com um beijo cálido,
É cada encontro contigo em que teu encanto leva-me para mais perto.
É o teu abraço no qual me perco e me encontro, me aqueço e me esqueço,
É o teu mistério tão simples como o teu andar, tão marcante como o teu olhar.

Eu pensava que era um poeta, mas tua melodia inundou todos os meus sentidos.
É o teu charme e esse brilho nos seus olhos, teu dengo e o riso nos seus lábios.
Eu pensava ser romântico, mas sua poesia calou-se e me fez apenas mirar você.
É sua voz e o que ela traz, é a sua boca e o beijo que trazes cativo.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Ouvi

É sempre a mesma coisa todas as vezes que ele vem aqui.
--- Como?
Quando ele vai embora, eu vou ao banho
com a porra dele a escorrer-me pelas coxas.

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Cuidado para não cair



“Cuidado para não cair”
Diz zombeteiro o espírito dos abismos
que atrai com migalhas mais um infeliz.

“Porque avisa se quer vê-lo cair?”
Pergunta óbvia para alguém tão embotado de malícia
ou apenas tão cartesianamente racional, como eu.

“Quero que à dor da queda some-se a da burrice,
o flagelo do fracasso ao auto-flagelo do perceber-se tolo”.

“Genial” – não foi de bom grado o elogio,
mas era forçoso reconhecer que era brilhante o plano.

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Humor mau


Humor malvado vê se escafede
sua sombra que traz nuvens de chuva
do rosto do meu amor desapegue.

Que é isso que se chama mau humor
Se não se diz má alegria ou felicidade incolor?
Não parece o sinal de uma alma imersa em dor?

Humor malvado vê se escafede
sua sombra que traz nuvens de chuva
do rosto do meu amor desapegue.

Ficção

É ficção:

  • Filmes de super heróis
  • Filmes de ETs
  • Filmes de viagens no tempo
  • Filmes de pornografia
Assim como é tolice ou mera infantilidade
Pensar que pode ser o Homem de Ferro,
viajar para a pré-história e ao futuro distante
ou se esbarrar com um ETzinho simpático;
é também evidência inequívoca de ser um imbecil
se acha que pode transar feito um ator pornô
ou exigir que sua garota comporte-se
como a menina dos vídeos com os quais se masturba.
Você já deveria saber, pode até ser trágico, mas é Ficção!

segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Se piscares não verás quando ela passa


Se piscares não verás quando ela passa
Tangenciando como uma sereia a enfeitiçar marinheiros
Assombrados com sua beleza que ameaça toda lucidez.
Razão não falta para que essa amazona voluptuosa e
Lépida venha nos enredar com suas mil faces
Igualmente fatais ao nos capturar na fantasia
Narcoticamente sensual que incendia cada neurônio
Guiando-nos numa experiência definitivamente surreal.

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Coragem

Qual virtude uma menina mais precisa ter, o que ela jamais deve permitir que tirem dela?
A meu ver é a...

CORAGEM*

Coragem para amar sem medida e não ter medo de odiar o que deve ser odiado.
Coragem para aventurar-se naquilo que dizem ser impossível para você.
Coragem para viver num mundo cruel, machista, violento e implacável.
Coragem para fracassar e começar de novo mil vezes se necessário for. 
Coragem para se amar mandando aos diabos os padrões da moda.
Coragem para enfrentar o preconceito, a agressão, a violência.
Coragem para ser dama ou ser puta, comportada ou safada.
Coragem para insistir quando todos querem te ver desistir.
Coragem para se vestir como quer, se cobrir ou se exibir.
Coragem para enfrentar o medo e acreditar em si.
Coragem para manter a cabeça erguida.
Coragem para correr riscos.
Coragem para dizer não.
Coragem para dizer sim.
Coragem para chorar.
Coragem para ser fêmea.
Coragem para ser mulher.
Coragem para assumir seus erros.
Coragem para construir sua história.

Coragem: Uma certeza inabalável que problema ou maldade alguma é forte o bastante para te destruir.



*Escrevi esse texto para um blog feminino
que foi desativado.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Implacável

Não seja ingênuo,
até nas histórias infantis há inimigos que devem ser mortos,
impedidos a qualquer preço, destruídos sem piedade.
Não seja cético,
Sorrir é bom, mas eles não vão parar e não irão aliviar
vão te esmagar se você deixar e hão de gostar disso.
Vê, não é pessoal,
É a simples natureza das coisas, do conflito nasce o futuro.
Então vire-se e olhe nos olhos seus temores, o próprio destruidor
Ou a luta te perseguirá até o fim,  implacável, até o seu interior.


segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Canto


Ao brilhar uma estrela quando a noite enfim
Revela seus mistérios e corre pelo espaço
Entre seus lábios entreabertos como uma via-láctea a brilhar
Fico a imaginar um beija-flor que vi alegre a pairar
Tocando de leve uma flor como agora o vento
Em seus cabelos a brincar... uma borboleta no vale.

Canto a ti, ó mulher, ó amada, ó belo estranho bem
Tua sobriedade, tua beleza, seu viver suavemente
Meu peito abre-se e recebo de ti o sem brilho a inundar
Meu medo calou-se, sumiu onde provem torrentes límpidas
Que regam meus olhos com essa beleza sólida
Na ponta dos dedos a tocar-me suavemente.

És o fogo em movimento a surgir da brasa, da madeira, da terra.
Seu calor exala da pele, dos olhos, da tenra paz a envolver-te
Seu desejo é livre e traz o sol pela manhã que chega e envolve
O dia e o seu corpo forte e esguio a integrar essa intensa harmonia
A soar e reboar pelo céu, dentro do peito a inundar de vida
Sutil como um toque rápido, como um sorriso, seu olhar.

Calmas... tuas mãos tocam de leve como o teu coração a bater
Em mim, sem aviso tua ira explode para conter-se numa lágrima
Que sorvo, bebo dessa essência que estranhamente me rege.
Libertas... todas as aves, todos os pés leves a valsar
Na balada de sons que acompanhas, que inundam sua pele alva
Que a fazem inteira, singela... choras num secreto, quieta.

Porque choram seus olhos? Tremem suas mãos, amargo tremor
Teus olhos contemplam tristes, cálidos e úmidos o entardecer
Me congela sua expressão vazia de tudo, vazia de mim
Você se esvazia da glória, do poder, da vida
Pra sê fraca, pequena e quieta ver melhor a noite amanhecer
Enquanto  descem vagarosas as lágrimas suas.

As lágrimas descem vagarosas, roubaram o brilho, tirou-lhe o sol
Um gesto hostil é um muro de pedras, uma fria lápide
A sepultar a essência, o grito da liberdade, a paixão
Que mostra o caminho à fonte do coração, ao jardim
Onde as flores sofrem sozinhas a dor que lhe traspassa agora.
Ó doce estranho bem, vive pois novamente pois vives em mim.

Porque é tua serenidade tão bela? É suave teu rosto
Tão tenra é sua presença, teu espírito tão doce
Porque és assim? Se eu cantar não olhas, se eu gritar não vens?
É tão branda a resistência em ti, vem-me o pavor.
Teus punhos feridos, tua cabeça erguida aflora a vida
Teu beijo é melhor que o vinho, é a melhor bebida.

Foi terrível aquele amanhecer, terrível aquele acordar
O sol opaco, o peito seco, o coração incinerado
Teu brilho morno, teu fogo apagado, teu cântaro vazio.
Contra os dragões, contra os chacais, contra peste tua beleza vívida
A abri-se mostrando o poder, graça incandescente a fluir
Até que ao céu alçaste vôo... conquistaste a eterna paz.

Agora, erguida enfim sobre os pagãos em triunfo
Os quatro ventos da terra testemunham seu caminhar
Como um mar revolto treme a terra deserta
Ao se arrebentar o silêncio em sons, ginga e alarido:
É o grito uníssono dos homens que bradam, faz-se dia.
É a tua boca a exalar a vida. Oh! Pois vives em mim.


De algum nas minhas paixões adolescentes

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Há um mar em mim

Há um mar aqui, há um mar em mim.
O espaço parece pequeno, mas é como naquelas histórias de magia
Uma vez dentro, o horizonte se estende a perder de vista.

Há um mar em mim, nunca tranquilo, nunca faz-se mar calmo.
No seu profundo habitam criaturas medievais
que não estranham os barcos futuristas riscando a superfície.

Há um mar aqui com águas infestadas de pensamentos aleatórios
desejos canibais seduzem ideias que se movem velozmente.
Planos acéfalos e amores tóxicos são cardumes nessas águas.

Há um mar em mim e sempre a transbordar
avançando e recuando como quem dança arrebentando sobre as pedras.
Em você também, se amar, haverá um mar.

11 de Outubro, 2019.



quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Diagnóstico



Estou com câncer, descobri hoje que o que acontece em mim não é um resfriado, uma gripe ou virose, não é dengue nem febre amarela, é câncer. A descoberta veio com a sutileza de um soco no estômago, de um tapa estralado no rosto. É câncer o que corrói minha carne, devora cada parte sadia de mim; como um exército disciplinado ele espalha conquistando os recônditos do meu ser. Um sorriso sarcástico me chega aos ouvidos, meu remorso é patético. 

O homem que se acha tão simples e sábio, com seu ar professoral e coisas sensatas para dizer; recebe como uma cusparada de lucidez no rosto. E a senhora lucidez simplesmente mostra o que ninguém, inclusive eu, quer ver: é câncer o que está comendo minha carne, é câncer o que apodrece meus sonhos e faz da minha dignidade uma brincadeira de mau gosto. 

Pareço o irmão mais velho do filho pródigo – hipócrita e medíocre, pareço o irmão mais velho de Jacó – inconsequente e tolo, pareço o carcereiro da cidade de Filipos – carecendo que a minha cela seja também sacudida por um terremoto. 

Certo homem disse que o melhor de nós é como trapos de imundícia, pois eu tenho impecavelmente me vestido dos meus sujos trapos; ordeno-os de tal maneira a cobrir com eles minha nudez. Mas o odor fétido da minha carne já impregna minhas roupas e minhas palavras, meu olhar denuncia a perversão que nem meus lábios sabem mais dissimular. 

Estou com câncer, podia já estar totalmente curado, mas resolvi tempos atrás deixar uma parte de eu apodrecer. Uma necessidade irracional me movia, me move e consome, um desejo por deixar morrer cada parte de mim, uma sede que me faz mergulhar no abismo para beber. Apenas alguma coisa em mim impede que desde agora eu me renda, alguma coisa impede que meus joelhos se dobrem em desistência e uma voz muda me estimula à resistência.

Um sorriso sarcástico tripudia do meu remorso, cada parte de mim rapidamente se corrompe, resta somente um último esforço para viver, para redescobrir a vida e reviver não mais como o cancerígeno doente terminal que tenho sido.

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Amizade



Dizem que amizade é como um laço invisível
que une pessoas pelos mais variados motivos
nem que seja com um pretexto risível.
pois até sem razões ela causa sorrisos.


Só isso explica o laço que de repente se fez
Tão natural que talvez me apaixone
Mas não é provável que aconteça e talvez
Seja amizade que disfarça uma vontade que não some.


E daí que ainda não vi os tão mel olhos dela
E nem o sorriso sei dela apenas o nome.


E daí que nessa amizade bem podia ter lascividade
Pois nessa idade tudo o que mais temos é fome.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Lucidez


As melhores coisas acontecem quando não esperamos. É a vida nos fazendo lembrar que o deslumbramento e o encanto, a surpresa e o espanto são tão necessários como o respirar. As piores coisas acontecem quando mais as tememos. Mas nem todas, algumas só nos lembram que somos humanos e, embora especialíssimos, também estamos sujeito às leis, da gravidade, por exemplo, da relatividade, outro exemplo, do mercado, ainda outro. 

Quando eu era pequeno queria ser bombeiro, me imaginava enfrentando o fogo e escalando prédios em chamas para salvar vidas. Depois, queria ser policial rodoviário; não sei bem por que. Depois... eu já estava grande demais para saber bem o que queria ser. Quanto mais crescemos menos sabemos, bem pequenos queremos ser isto e não aquilo.

Depois crescemos e os desejos se multiplicam, a cobiça e a inveja entram no nosso mundo e já não sabemos de nada, exceto que queremos competir e vencer. Queremos dinheiro, sucesso e tudo o mais que podermos agarrar a fim de impressionar as pessoas certas (certas?). Dizem que só recobramos a lucidez, que tínhamos quando crianças, depois, bem depois... Só então nos lembramos que as melhores coisas da vida acontecem quando não esperamos, acontecem assim, simples como o desejo de uma criança. Percebemos que mesmo as piores coisas são um sopro de lucidez que também faz lembrar que o encanto e o espanto não podem se perder.

Estou buscando a minha lucidez de outrora, ela tem a aparência de um velho navegante atravessando um revolto rio.


.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Dia 27



Há homens piores do que eu; mais patéticos? Não.

Sei que há aqueles que são mesquinhos ou malvados

como eu dificilmente serei.

Há homens covardes e estúpidos

que me superam também na irresponsabilidade

e na frouxidão.

Mas duvido que dentre todos eles

haja um, tão somente um

vergonhosamente patético como eu.




***minha paupérrima, mas honestíssima versão do magistral Poema em linha reta, de Fernando Pessoa.

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Delírio



Desce entre os seios de uma rosa 

uma gota de orvalho. 

Corre com um desejo animal 

o sangue nas veias rubras. 

Bate contra as pedras opacas de diamantes 

os joelhos de um viajante. 

Sobe pelas vielas de um labirinto escuro 

o doce aroma de um sonho. 



Toca na renda fina 

que envolve uma flor pequenina. 

Houve o vento e seu desejo louco 

de morrer junto ao sol no horizonte vasto. 

Ver o beijo sonhado sob a luz da lua 

resplandecer em lábios molhados. 

Prova o sabor eterno da luz 

no ébrio aconchego de uma doce canção.


.

Dia 21



– A cada instante penso que sua frase será a derradeira e você irá se precipitar daqui abaixo.
– Tenho o mesmo temor em relação a você. Afinal, por mais que estejas aqui se fazendo de médico para este louco, sei que sofres do mesmo mau que eu.



.

Dia 21



– Não se engane meu amigo, a beira do abismo está sempre perto.
– Sempre?
– De tal modo que o terreno cede sob nossos pés especialmente quando nos achamos mais seguros.


.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

A progressão geométrica e a dimensão cíclica da vida


Quando eu fiz o primeiro post (aqui) do meu desafio de 100 dias. A Pink Poison escreveu assim em seu comentário:
"Dia 1, pode ser em qualquer momento..."
Confesso que achei o comentário um pouco desanimador; afinal, ela tirava a importância daquele dia, daquele momento em que eu afirmava o começo de uma nova era em minha vida (era o que eu pretendia). Mas, não é que a Pink está certa?

Aliás, não apenas "dia 1, pode ser em qualquer momento", como dia 1 deveria ser a todo momento. Todo dia. Afinal, como já nos ensinou Renato Russo, "o amanhã, na verdade não há". Então não há dia dois. A única maneira de manter uma chama acesa é acendê-la todos os dias.

Ao afirmar que aquele era meu dia 1, meu marco zero, pensei que a minha vida a partir daquele momento seria como uma progressão, senão geométrica, ao menos aritmética. O fato inegável é que a vida, embora possa ser ilustrada como uma progressão, não deixa de ser cíclica. Afinal, como disse o sábio bíblico:
"O que foi é o que há de ser;
e o que se fez, isso se tornará a fazer;
nada há, pois, novo debaixo do sol".
Considerar essa dimensão da nossa existência nos priva de lamentos desnecessários e nos ajuda a entender aspectos frustrantes com os quais necessariamente teremos que lidar. Mesmo que nossa vida a partir desse momento possa ser ilustrada na curva ascendente de uma fantástica progressão geométrica. Ainda assim essa dimensão cíclica estará lá, como um desafio do que nos espera e como uma lembrança daquilo que somos.

.

Dia 20


– Acho que foi Machado de Assis que disse que a mentira é muitas vezes tão involuntária como a respiração.
– E quais conta para si mesmo?
– Há algum tempo tenho encarado todas as mentiras que consigo identificar, removendo as pedras sob as quais sepultei tantos sonhos. Não é agradável, muitas vezes o cheiro podre de vida em decomposição toma conta de tudo. Eu era um garoto ainda e já havia em mim um desejo maior que tudo por algo que eu não sabia o nome.

Dia 19


– O maior inimigo do homem é ele mesmo.
– Robert Burton falou isso, mas Shakespeare foi mais preciso ao dizer que o maior inimigo do homem é a segurança.

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Gerúndio

Foi pensando e remoendo tudo, pensando e revendo o filme, pensando e sangrando, pensando e envenenando ainda mais a alma de rancor com tanto gerúndio estuporando-o por dentro desde que tomara a infeliz decisão de não ceder nem ouvir e tapando os ouvidos nem olhar nos olhos a menina que sem alento por tanto tempo tem amado.

Dia 18


– Há beleza em dias nublados?
– Como há no azedo, na dor, na raiva e até no terror. Eu quero sentir! Longe de mim as amenidades!

Dia 17


– Autopreservação é mutilação motivada pela covardia. Prefiro ter mil vezes o coração partido do que tão somente preservar-me intacto.
– Mas ninguém quer sofrer.
– Eu não quero sofrer, mas também não evito essa possibilidade. Evitar sofrer é evitar a vida. A única maneira de não sofrer por amar é não permitir-se o amor, a vida implica em sofrimento. Evitá-lo é evitar a vida.

sábado, 31 de agosto de 2019

Dias 13, 14, 15, 16.



Todos os últimos dias foram de fracassos,

contínuos, crescentes, recorrentes.

Falar isso é importante por uma única razão

Às vezes basta uma pequena pausa

para que amanhã seja diferente.


.

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Uma dor inimaginável


"Nossa filha Xana faleceu esta tarde à idade de 9 anos depois de lutar durante cinco intensos meses contra um osteosarcoma. Damos graças por todas as mostras de carinho recebidas durante estes meses e agradecemos pela discrição e compreensão".

Assim começou o comunicado do treinador de futebol Luis Henrique ao comunicar a morte da sua filha de 9 anos, após 5 meses de luta contra um câncer nos ossos.

Pai de dois filhos pequenos, eu comentei com minha esposa como essa dor dessa ser insuportável, como deve transbordar tudo em nós. Não paro de pensar nisso. Todo meu amor e minhas orações para o Luis e sua família.




quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Dia 12


– Platão diz que somos como se vivêssemos numa caverna vendo refletidas numa parede as sombras das coisas que estão, advinha, lá fora. Mas como não sabemos que existe o lá fora, tomamos as sombras na parede como as coisas em si. Como o nosso mundo real.
­– Então...
– O que você chama de mundo real, de coisas reais, não passam de uma sombra projetada na parede. Sombras de uma realidade só possível de conhecer se você sair da caverna.
– Ou tomar a pílula azul.
– Ahn?
– Vai dizer que não está falando de Matrix?

Dia 11


– Gramsci escreveu que a crise consiste precisamente no fato de que o velho está morrendo e o novo ainda não pode nascer. Nesse interregno, uma grande variedade de sintomas mórbidos aparecem.
– Uau! Nesse inte... o quê?
– Nesse interregno. No espaço de tempo entre o momento em que você não suporta mais ser o que era e o momento em que você se torna o que precisa ser. Nesse interregno, o limbo que é não suportar mais o que era e não estar pronto para ser o que será.
– E o que será? No que você quer se tornar?– Se eu soubesse já seria.

Dia 10


[...]
– Como eu disse, você não entenderia.
– Está perdendo a chance.
– Na verdade talvez eu não saiba explicar, viver é super difícil o mais fundo está sempre na superfície.
– Ahn?
– É uma fala do Leminski. Lembrei porque talvez explique meu paradoxo.
– Mais um pouco e eu mesmo te empurro.
– Você não entende né. É óbvio. Você é tão simples como uma pedra ou, como disse uma bruxinha, tem a amplitude emocional de uma colher de chá. Eu quero romper com esse encadeamento de raciocínios óbvios que se tornou minha vida. Quero não! Preciso! É sufocante. Era até divertido minha inconstância de estados e modos de ser, até que percebi que o que eu pensava ser na verdade era uma ilusão.

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Teu coração


É pedra, gelo, fogo ou um vazio teu coração
Que meus planos esmiúça e de mim escarnece
Rindo ao ver enquanto minha vida padece
Como se não bastasse ter-me como cativa diversão?

É pedra, gelo, fogo ou um vazio teu coração
A reinar sem rivais nesse planeta silencioso
Perfeitamente ordenado, mesmo rancoroso?
Era fogo, agora gélido, restou apenas um tição.

É pedra, gelo, fogo ou um vazio teu coração
Que os meus sonhos consome feito chamas ao vento?
Nada detém sua vontade ou permite alento
E em meu desalento resta a frustração de não ter razão.

É pedra, gelo, fogo ou um vazio teu coração
Que do mundo esvaziou as bênçãos e as pragas?
Diga-me meu amor, ajuda-me com essa saga
É pedra, gelo, fogo ou um vazio sem fim teu coração?

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Definição do Inferno



Alguém me disse uma vez a definição do inferno:
“No seu último dia na Terra, a pessoa que você se tornou vai encontrar a pessoa que você poderia ter se tornado.”

Concordo que é a definição do inferno; apenas acrescento que resta-nos viver de tal modo que esse inferno não seja tão aterrador.


*** Se você souber quem é o autor da frase acima, ajude com isso.

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Oito anos


Ele como um outro qualquer que respira foi perdendo e
se perdendo.
Eram tão simples seus anseios e tão tenras suas esperanças
que chorei.

Seu mundo dentro de sua grandiosa fantasia era diminuto
e sozinho.
Era tão doce sua ousadia, tão triste seu olhar de poesia e
era assim.

Depois dos oito anos nada mais se há de fazer
Dizem especialistas que tudo que se é nesse tempo se torna
Ou homem ou moleque, ou herói ou vilão, ou isso ou aquilo.

Com ele foi assim, oito anos e já o mundo cabia nele
Mente velha num corpo criança, fantasias pueris e nem sorri.
Hoje ele tenta pensar, o que fazer com tanta vida que ainda há?

Dia 9

Viver é uma peripécia. Um dever, um afazer, um prazer, um susto, uma cambalhota. Entre o ânimo e o desânimo, um entusiasmo ora doce, ora dinâmico e agressivo. 

Viver não é cumprir nenhum destino, não é ser empurrado ou rasteirado pela sorte. Ou pelo azar. Ou por Deus, que também tem a sua vida. Viver é ter fome. Fome de tudo. De aventura e de amor, de sucesso e de comemoração de cada um dos dias que se podem partilhar com os outros. Viver é não estar quieto, nem conformado, nem ficar ansiosamente à espera. 

Viver é romper, rasgar, repetir com criatividade. A vida não é fácil, nem justa, e não dá para a comparar a nossa com a de ninguém. De um dia para o outro ela muda, muda-nos, faz-nos ver e sentir o que não víamos nem sentíamos antes e, possivelmente, o que não veremos nem sentiremos mais tarde. 

Viver é observar, fixar, transformar. Experimentar mudanças. E ensinar, acompanhar, aprendendo sempre. A vida é uma sala de aula onde todos somos professores, onde todos somos alunos. Viver é sempre uma ocasião especial. Uma dádiva de nós para nós mesmos. Os milagres que nos acontecem têm sempre uma impressão digital. A vida é um espaço e um tempo maravilhosos mas não se contenta com a contemplação. Ela exige reflexão. E exige soluções. 

A vida é exigente porque é generosa. É dura porque é terna. É amarga porque é doce. É ela que nos coloca as perguntas, cabendo-nos a nós encontrar as respostas. Mas nada disso é um jogo. A vida é a mais séria das coisas divertidas.

Joaquim Pessoa, in 'Ano Comum'

Dia 8



"Um abismo chama outro abismo"

Bíblia - Salmo 42:7



.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

História de um infeliz

Sei da história de um infeliz que fingiu tanto ser parte de um mundo que não era o seu, que a máscara se apegou à pele e a única coisa que restou, a única coisa que denunciava sua condição de forasteiro era um sentimento tão íntimo que quase insondável de desajustamento.

Uma leve, mas em todo tempo perceptível sensação de ilegitimidade.

Fato deveras significativo é que algumas pessoas imediatamente se solidarizam com esse infeliz,
logo se percebem compartilhando dessa sensação.

Não importa o quanto imprecisas as informações ou obscura a tal sensação.
Alguns imediatamente entendem do que se trata e instantaneamente nomeiam aquela coisa estranha que também trazem na alma que sempre parece sussurrar algo inaudível.

Agora sabem, ao solidarem-se com o pobre infeliz, percebem num instante o que o sussurro diz:
“Você não é daqui”.




.

Dia 7



Depois de, mais uma vez falhar, a gente começa a se conhecer
Entender que há um descompasso entre o que somos e o que imaginamos.
Reajusto a rota, podo um pouco as expectativas,
Reduzo meu ímpeto,
Controlo a respiração,
Calo-me.
Sem promessas, sem votos,
Apenas um único desejo, um único alvo, um passo de cada vez,
Antecipo o escorregão e mudo a passada,
Prossigo devagar, conhecendo-me, avanço.

.

Tesão

Sonhei que a namorada e eu estávamos numa praia
ela, sempre deslumbrante, ainda mais num biquíni pequenininho
enfeite perfeito no corpão dela, levemente dourado de sol.

Um rapaz simpático se aproximou e começamos a conversar
Ele pediu, educado, se podia dá-lhe uma abraço
E ela, olhando pra mim, sorriu dizendo que sim.

Ele vestia uma sunga que acomodava sua ereção evidente
Que esgueirou-se para fora talvez pela fricção dos corpos
Olhei o mastro comprimindo-se contra a cintura dela
Olhei com ciúme, algo de raiva, e indisfarçável tesão.

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Dia 6


Persistência é a qualidade menos notada nos vencedores.
Deles admiramos a coragem, a astúcia, a habilidade.
Ficamos impressionados com sua força e velocidade
Sua graça nos encanta, o sangue frio, a técnica refinada.


Mas quantos vencedores vencem sem perseverança?
Quantos triunfam sem recomeçar mil vezes após o fracasso?
Quanta força interior, quão resistente deve ser o espírito de quem
abatido mais uma vez decide recomeçar quantas vezes preciso?

Dia 5


Quando nenhuma força é exercida sobre eles, a tendência dos corpos é permanecer em seu estado natural, ou seja, repouso ou movimento retilíneo e uniforme.

(Primeira Lei de Newton, ou Lei da Inércia)


Deixar as coisas como estão só agrava a atual situação.
Se sua rota é ascendente, a tendência é que continue assim;
mas se você está caindo em direção ao abismo,
é exatamente isso que acontecerá se você não agir.

É preciso uma força, encontrar, descobrir o impulso necessário
que nos coloque em movimento após tanto tempo de inércia
ou interrompa a ação autodestrutiva que nos precipita
... naquele vazio das coisas e das pessoas que nunca foram.

Dia 4



"Um homem não está acabado quando enfrenta a derrota. Ele está acabado quando desiste".

Richard Nixon

Dia 3



"O que não é terrível não é sofrer nem morrer, mas morrer em vão".

Jean-Paul Sartre

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Dia 2

Não é fácil como dizem
Fazer uma limonada com os limões que lhe atiram
Relaxar sabendo que depois da tempestade vem a bonança
Desistir de dois pássaros voando por já ter um na mão.

Uma vez ouvi que se conseguisse correr por 15 minutos
não estaria longe de conseguir correr uma meia maratona.
Afundado no sofá eu pensei: "15 minutos? é moleza!".
No dia seguinte, tênis nos pés e cronômetro da mão, lá fui eu

Corri, corri, corri, corri... até o corpo implorar para parar
Ofegante, diminui o ritmo e espiei o cronômetro
"já deu 15 ou quase" - pensei antes de parar olhando incrédulo
o número no cronômetro: 7 minutos e alguns segundos.

É quando nos lançamos num desafio que nos descobrimos
arruinados, fracos, fora de forma, viciados em comodidades.
O que imaginávamos vira fumaça num segundo e você sabe:
Ainda irá cair muito antes de tornar-se aquilo que nasceu para ser.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Dia 1

Dia 1 de um propósito em que já fracassei mil vezes
Dia 1 de uma jornada em que tento ser melhor
Sem ser um babaca, arrogante, sem ser mais um farsante.
Dia 1 em que busco, mesmo que incrédulo, um alvo distante.

Sempre fui elogiado, inteligente, gentil, bom moço, capaz
Às virtudes intelectuais, somou-se outra, pauzudo e viril
Enquanto amigas reclamam dos namorados débeis e frouxos
Eu me orgulhei do macho que eu era, um canalha sutil.

Descobri-me viciado em pornografia, sacanagem, azaração
A inteligência e a facilidade para aprender, desprezei
Como se não precisasse, de fato, aprender, lutar, melhorar
O tempo passou e chego aos 40 com vergonha de mim.

Dia 1, hoje, 14 de Agosto de 2019 é o meu dia 1
Não precisei de nenhum sermão, simplesmente aconteceu.
Basta de ser uma sombra do que poderia ser, uma farsa sem fim
Chega de ser babaca, prefiro me arrebentar a  terminar assim.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Bosta

Talvez nunca tenha acontecido com você; mas hoje, ao orar, não achei forma melhor para me descrever diante do Eterno.
"Perdoa-me Senhor, eu que sou tão...... bosta".

É provável que o Eterno não tenha ficado irritado com meu linguajar, mas balançado a cabeça em silenciosa concordância.

segunda-feira, 24 de junho de 2019

O salto



quero saltar
meus pés cautelosos se aproximam do precipício
não quero me entregar à morte
quero o outro lado do abismo.

mas é longe
é distante aonde quero pousar
me dá vertigens olhar aonde posso cair
é quase insensatez o quanto terei que voar.

talvez meus erros
ou o destino aos tropeços me trouxe aqui
mas só me resta um acerto ou um derradeiro erro
do outro lado pouso ou lá embaixo... caio.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Sensato?



sensato? 

pode ser 

mas 

algumas 

vezes 

me 

acho 

apenas 

um filho da puta de um covarde.

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Inferno




Quanto ao inferno,
há o que lá estão e aqueles outros
que para lá estão reservados.


Seria, por acaso, menor o tormento destes
sendo que a todo instante podem ouvir
o ruído metálico das garras a afiar
como se houvesse já chegado a hora
das carnes de mais um desgraçado retalhar?

Desejo


Viu-a envolvido num ar de superioridade tão falso quanto uma nota de cinqüenta em sua carteira no final do mês e foi logo a detestando em seu pensamento secreto enquanto seu olhar escancaradamente a cobiçava deixando claro que em matéria de mulher quem manda é o olhar que dispara o gatilho que faz pulsar toda a máquina que ameaça desfalecer se o nariz não cheirar o perfume e a língua não provar o gosto e a mão não tocar a pele e o corpo não se apertar contra o dela que passa sem notar e bem faz em fingir que não vê o jeito bobo dele que mesmo assim ainda insiste em achá-la metida talvez dando razão para o ditado que diz que quem desdenha quer comprar.



terça-feira, 11 de junho de 2019

Lá fora



as verdades que desconheço e tanto anseio
estão lá
lá fora onde se esconde esse mistério
silencioso
insinuante através das sombras
se escondendo
ora me espreitando
ora dos meus passos
fugindo
me atraindo para ir lá
lá fora
onde me esperam as incertezas
onde são tantas as sutilezas
onde desmoronam as fortalezas
que me mantêm aqui
a salvo
dos mistérios que me esperam
lá fora.

sábado, 8 de junho de 2019

Desabafo



Você vê uma foto dos seus amigos ao redor de uma mesa, brincando e sorrindo, e comenta: "Ai, como e gostaria de estar ai com vocês".
Uma esposa vê a foto do marido com os filhos na maior diversão e diz: "Queria estar no meio dessa bagunça".
Um cara fica sabendo que seu amigo fez algo louco e diz abraçando-o fortemente: "Porra cara, como eu queria ter estado junto nessa".

A pergunta simples é: Será?

Será que se você estivesse junto teria acontecido aquele momento legal? Será que se a esposa estivesse com o marido e os filhos haveria aquele momento de diversão? Será que esse cara, se pudesse, realmente se jogaria ou atrapalharia a loucura do amigo? Não são poucas as pessoas que sistematicamente sabotam aquelas coisas que eles dizem admirar.

Volta e meia contamos mentiras para nós mesmos. Falamos que adoraríamos ter estado naquela diversão, mas, quando podemos, nunca estimulamos ou tomamos parte. Lamentamos as oportunidades perdidas, mas todas as vezes que elas aparecem nós temos ótimas razões para dizer "dessa vez, não".

Você certamente dirá que não é seu caso, mas não custa perguntar: Acontece com você?

quinta-feira, 6 de junho de 2019

Adeus



Adeus” - A palavra não saía dos lábios, as bocas que tanto haviam se beijado se recusavam à despedida, os olhares se devoravam, as mãos ansiavam por dedos entrelaçados... e ainda assim a palavra estava ali - "adeus". 

A flor que ele trouxe era o último presente, sempre havia flores pelo caminho quando ele ia encontrá-la, sempre havia o sorriso dela ao vê-lo com os braços cheios das mais variadas flores e ramos, sempre havia perfume em seu ninho de amor. A palavra que sufocava e umedecia os olhos sem ser uma vez sequer pronunciada causava um enorme silêncio, um silêncio cheio de gestos vagarosos e olhares demorados como que gravando para sempre na memória cada detalhe. Era estranho, porque seus encontros sempre estavam cheios de palavras, a poesia era tamanha, as músicas que sussurravam no ouvido, os sorrisos que ecoavam pelo vale. Deitados olhando o céu ele se deliciava com a voz dela falando e falando e falando, fazendo-o sorrir e sonhar de olhos abertos ao som daquela doçura que enchia seu mundo. 

Mas hoje - "adeus" - essa única palavra sem ser ouvida causava uma imensa dor enquanto ele a abraçava aspirando o perfume em seus cabelos e tentava não olhar o horizonte para não adiar nem em pensamento o momento de vê-la desaparecer por entre as árvores levando na mão sua derradeira flor.



quarta-feira, 5 de junho de 2019

Thanks, God



Fantasmas chegam trazendo sombras à sua varanda
a temperatura cai e o verão em sua alma se vai.
Nada é como o que foi sonhado, tudo desmorona, desanda
nas roupas marcas de sangue e no rosto uma lágrima cai.


Sonho e rotina misturam-se e daí emerge uma coisa sem nome
não tem rosto essa parafernália de sensações.
A fé incendeia e a descrença me trai - o fogo que havia some
Sonho e medo fazem o peito pulsar como se houvesse mil corações.


Thanks, God!” - é fé, descaso ou saliva meus lábios de revolta?
Talvez teimosia, insistência de quem não quer morrer.


É a esperança de sentir o fogo de novo sob o gelo arder
Caminhar descalço e mesmo ao longe te ouvir: “volta”.

terça-feira, 4 de junho de 2019

Mikhail Bulgakov

Tudo passa - sofrimento, dor, sangue, fome, peste. A espada também passará, mas as estrelas ainda permanecerão quando as sombras de nossa presença e nossos feitos se tiverem desvanecido da Terra. Não há homem que não saiba disso. Por que então não voltamos nossos olhos para as estrelas? Por quê?

Estou começando a ler "O demônio do meio dia: uma anatomia da depressão", um best-seller de Andrew Solomon. A frase acima é a epígrafe do livro.

Parafernália



Porque você, eu, a gente não é uma coisa só,

a gente é um monte de coisas reunidas

que você não sabe o nome,

que a gente vai descobrindo aos poucos,

se maravilhando e se horrorizando.



Quem é todo santo ou pecador por inteiro?

Que traste não tem um traço sequer de virtude?

Que herói não guarda a sete chaves instantes de covardia?

Que puta não é também apenas menina ou poeta que é leitor?

Pois se os rótulos são autoritários, a vida é mil faces num espelho.

O beijo



Todo o resto passava por ele sem despertar nenhum interesse.

O vento e as folhas passavam voando ao lado,
os berros irados de quem não tinha mais importância, também.
O medo antes tão perto e dono de tudo agora passava ao lado
causando tanta comoção como as folhas.

Foi como uma explosão que a gente sente lá dentro
em algum lugar entre o peito e o estômago
cujos efeitos se vêm nas mãos e no riso incontido,
nos olhos vidrados e nos braços estendidos
em torno do abraço que continha aquele beijo
que sempre recomeçava antes de esmorecer.

segunda-feira, 3 de junho de 2019

As minhas horas




Tem horas em que são mil as coisas que quero
Noutras horas, apenas uma espero.

Há aquelas horas em que sou invencível
Mas também há quando me sinto desprezível.

Tenho horas de um transbordamento de ternura e amor
Mas também tenho aquelas de desprezo e rancor.

Tem horas que sou brilho nos olhos, fogo e ousadia
Tem horas que sou medo, temor e covardia.

Tem horas que, admirável, como mestre ensino
Em outras, nada sou além de um menino.

Em certas horas sou belo, original e até atlético;
noutras horas incertas sorrio do meu jeito patético.

Quando me assombro ao perguntar como viver entre horas assim
Lembro-me que ainda bem, algumas horas são bem mais que outras,
E então, ao menos agora, meu coração se aquieta em mim.



.

sábado, 1 de junho de 2019

História de um infeliz



Sei da história de um infeliz que fingiu tanto
ser parte de um mundo que não era o seu,
que a máscara se apegou à pele e a única coisa que restou,
a única coisa que denunciava sua condição de forasteiro
era um sentimento tão íntimo que quase insondável de desajustamento.
Uma leve, mas em todo tempo perceptível sensação de ilegitimidade. 

Fato deveras significativo é que algumas pessoas
imediatamente se solidarizam com esse infeliz,
logo se percebem compartilhando dessa sensação. 

Não importa o quanto imprecisas as informações ou obscura a tal sensação.
Alguns imediatamente entendem do que se trata
e instantaneamente nomeiam aquela coisa estranha
que também trazem na alma que sempre parece sussurrar algo inaudível. 

Agora sabem, ao solidarem-se com o pobre infeliz,
percebem num instante o que o sussurro diz: “Você não é daqui”.

Não pulei



"Eu fiz de conta que era um dia normal. Levantei, fui à escola, voltei para casa e subi no telhado do prédio. Meu pé direito já estava no ar. Bem quando ia pular, olhei para cima. Do outro lado da rua, uma família olhava para mim da janela do seu apartamento. Havia essa menininha com o olhar fixo em mim, e ela balançou a cabeça e cobriu o rosto. Por causa dela, não pulei.”


----


Depoimento de um jovem de 20 anos que chegou à beira do suicídio em 2009 e mudou de ideia. O relato foi postado num tópico no site Reddit sobre os usuários da rede social que tentaram se matar.

Autofagia



Sei ocultar tempestades sob a calmaria

do meu sorriso.

Meto minha fúria mortal numa camisa de força

de um olhar inexpressivo.

Relaxo os ombros e afrouxo os punhos cerrados

enquanto de minha própria carne, me sirvo.


1 de Junho, 2019

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Insonso suplício



Não é só isso ou aquilo 

Insonso suplício. 

Nem é de aço meu peito para suportar seu descaso 

Frente ao meu malfadado martírio. 

E ainda ri 

De mim 

Causando-me borbulhas de raiva 

Que pressionam a rolha que por hora 

Impede minha boca de jorrar 

Rosnar. 

Maldita hora que me propus a isso 

Insonso suplício.

Assume o amor como um ofício

Assume o amor como um ofício
onde tens que te esmerar,

repete-o até à perfeição,

repete-o quantas vezes for preciso
até dentro dele tudo durar
e ter sentido

Deixa nele crescer o sol
até tarde,
deixa-o ser a asa da imaginação,
a casa da concórdia,

só nunca deixes que sobre
para não ser memória.

Eduardo White

Covarde



sensato? 

pode ser 

mas algumas vezes 

me acho 

apenas 

um filho da puta de um covarde.

Epigrama n.2



És precária e veloz, Felicidade.
Custas a vir e, quando vens, não te demoras.
Foste tu que ensinaste aos homens que havia tempo,
e, para te medir, se inventaram as horas.

Cecília Meireles

Ruptura



Sou ruptura, fragmentos plurais
sou falta de consenso, rostos multifaciais.
Vivo a angústia de não saber o amanhã

a verdade que trago não é regra nem será espada
ela se esgota nesse momento, nesse lugar, nesse olhar.

Não tenho fundamentos que me deem a certeza de permanecer
mas tenho asas e posso voar
entre tempestades e raios me metamorfosear,
nem que seja só para conservar aquela beleza única e necessária.

Abaixo os tiranos, mesmo aqueles que vivem em nós!
Quero o desconforto de quem sempre procura

o estranhamento necessário de quem
tão logo acostuma-se a uma ideia
sente a inadiável vontade de retornar ao caminho
das imprevisíveis possibilidades.

Jim Morrison



Não me importaria de morrer num avião. 
Seria uma boa forma de ir. 
Não quero morrer dormindo 
ou de idade ou de overdose. 
Quero sentir como é... 
Quero saborear, ouvir, sentir o cheiro disso. 
A morte só vai acontecer uma vez; 
não quero perdê-la.

Bocage




Dizem que o chefe do inferno imundo 
tem entre as pernas um caralho enorme 
para meter no cu, deixar disforme 
a quem não foder bem cá neste mundo: 
Temei, prezados, esta dor terrível, 
esqueçam as repressões, tola mentira, 
fodam tranqüilos, quem não fode pira.

Sobre o amor



É só comigo ou é mesmo inevitável
que junto ao amor esteja quase sempre acesa a raiva
que ora desfaz-se numa leve irritação,
ora avoluma-se em ódio,
ora esconde-se num canto qualquer
para que a delicada e vaporosa felicidade passeie pela sala?

Uma única vez



Desde que alberguemos uma única vez o mal, este não volta a dar-se ao trabalho de pedir que lhe concedamos a nossa confiança.

Franz Kafka

a dois passos





Me ocorreu agora... 
anseio o céu que parece estar a dois passos,
mas sinto falta dos infernos que não vivi.

Ouça



Não é necessário sair de casa.
Permaneça em sua mesa e ouça.
Não apenas ouça, mas espere.
Não apenas espere, mas fique sozinho em silêncio.
Então o mundo se apresentará desmascarado.
Em êxtase, se dobrará sobre os seus pés.

Franz Kafka

Estranho-me

Estranho-me cada instante
não consigo me acostumar
meu eu é mutante
não é sábio subestimar.